Pular para o conteúdo principal

Ore pela paz no Quênia

22/1/2008 - 11h46

QUÊNIA (47º) - A Igreja no Quênia tem sido de grande importância na restauração da paz. Ela tem unido e organizado várias reuniões de oração pela paz e está envolvida ativamente no processo de mediação entre os políticos e o governo. A Igreja também tem doado toneladas de alimentos e itens de primeira necessidade para as pessoas desabrigadas em todo país.

A nação parece estar em um beco sem saída, uma vez que os dois partidos mantêm sua postura. A Igreja entende que apenas Deus pode resolver a situação. A Missão Portas Abertas conclama seus contatos em todo mundo, tanto igrejas como outras organizações, para orar pela Igreja no Quênia que vem sofrendo e sendo desalojada continuamente.

Até agora, o trabalho da Portas Abertas não foi atingido pela violência. As coisas continuam normais em nosso escritório. Não tomaremos nenhuma atitude enquanto ficar claro que a violência é motivada por princípios étnicos e políticos. Mas sabemos que muitos cristãos estão confinados em casa e com medo de ir à igreja.

Pedidos de Oração:

1. Por favor, ore para que a paz e a estabilidade voltem ao Quênia. O país fora considerado, até então, um dos mais democráticos e estáveis do continente.

2. O Quênia possui uma Igreja bastante poderosa. Ore para que os cristãos sejam exemplo vivo para seus vizinhos durante esse período e agentes de paz e esperança durante os dias de incerteza.
3. Ore pela equipe da Portas Abertas e de outros ministérios cristãos no país.

Entenda o conflito

O Quênia ainda está submersa em uma terrível crise. Os índices oficiais apontam que mais de 600 pessoas foram mortas, mas, de acordo com fontes confiáveis, mais de 1.500 pessoas já morreram neste período. Mais de 250 mil pessoas estão refugiadas em escolas, campos de refugiados e delegacias de polícia, depois de terem sido expulsas de suas casas.

Os dois maiores partidos políticos do país, o Movimento Democrático Laranja (ODM, sigla em inglês) e o Partido pela Unidade Nacional (PNU, sigla em inglês) argumentam que seu candidato é o vencedor da eleição ocorrida em dezembro de 2007.

No dia 30 de dezembro, Mwai Kibaki, membro do partido governista, o PNU, foi eleito presidente, derrotando Raila Odinga, do ODM. Uma fiscalização internacional verificou e apontou irregularidades e anomalias no processo de apuração. O PNU insiste ter vencido a eleição honestamente, enquanto o ODM acredita na fraude. Alguns especialistas acreditam que o resultado ficou muito apertado para ser dado como certo.

Como o candidato do PNU declarou ser o vencedor, o ODM não aceitou os resultados e conclamou seus aliados a refutar o novo presidente. Desde 31 de dezembro, uma onda de violência invade algumas partes do país.

Tribos

A violência pós-eleição está concentrada em duas tribos no Quênia, a Kikuyu e a Luo. Os kikuyus são vistos como os que apóiam o PNU, enquanto os luos, o ODM. Como resultado, os kikuyus foram expulsos da região controlada pelo ODM, o mesmo acontecendo com os luos que moram nas regiões dominadas pelos kikuyus ou pelo PNU. Todo esse processo resultou em muitos assassinatos e desaparecimentos.

Entretanto, a maior causa do conflito não é étnica. A sociedade queniana é relativamente livre e liberal, havendo, inclusive, casamentos intertribais. A causa alegada é a desigualdade na distribuição de renda entre as várias regiões e comunidades. O ODM ganhou o coração de vários quenianos com suas promessas de mudança neste quadro e crescimento econômico para todos. Então, quando o líder do partido foi derrotado, muitos de seus eleitores, a maioria deles pobre e desempregada, pegaram em armas uma vez que não têm mais nada a perder.

A Igreja também foi afetada pela violência, especialmente a localizada nas regiões mais pobres, controladas pelo ODM. Muitos templos foram destruídos e vários pastores de outras tribos tiveram que fugir para salvar suas vidas. Em algumas áreas, os cristãos têm se recusado a ir à igreja para não serem visto como aliados do PNU.

Tradução: Priscila Figueiredo


Missão Portas Abertas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oswald Jeffray Smith (1890-1986)

"Resolvi publicar essa biografia para conhecermos um pouco de nossa história recente, esse homem foi um dos maiores missionários americanos, viajou por mais de 80 países pregando a palavra de Deus, leia e aprenda com esse grande homem de Deus."
O canadense Oswald Jeffray Smith (1890-1986), filhos de Benjamin (um telegrafo da estrada de ferro) e a Alice Smith, em Odessa, Ontário, em 1889, o mais velho de dez crianças. A conversão de Smith ocorreu ao assistir a uma cruzada evangelística de R.A. Torrey e Charles Alexander, quando tinha dezesseis anos. Smith não teve uma infância saudável e não esperada sobreviver a sua adolescência. Esta saúde pobre afetou diretamente seus planos de missões trans-culturais da igreja Presbiteriana, que foram rejeitadas inicialmente. Preparou-se para o ministério e foi ordenado pastor presbiteriano. Seu desejo era dedicar-se à obra missionária, mas foi advertido de que era muito fraco fisicamente para enfrentar a dura vida missionária. Como o Pr. …

Discipulado (Parte I) - Paulo Junior || Escola Obreiro Aprovado (Aula 10)

O Pr Paulo Junior é usado por Deus nesse vídeo com uma linguagem simples e com muita humildade nos ensina a Palavra de Deus. Recomendamos com muito carinho.
Discípulo é um aprendiz de Cristo.




Cristofobia? Existe? Você sabe o que é?

Pouco denunciada, a opressão violenta das minorias cristãs nos países muçulmanos é um problema cada vez mais grave AYAAN HIRSI ALI
Ayaan Hirsi Ali, de 42 anos, nasceu de uma família muçulmana na Somália e emigrou para a Holanda, onde foi parlamentar. Produziu o filme Submissão (2004), sobre a repressão às mulheres no mundo islâmico. É pesquisadora do American Enterprise Institute SANGUE DERRAMADO Cristãos coptas, do Egito, carregam uma imagem de Jesus Cristo manchada de sangue, em ato contra a violência de extremistas islâmicos (Foto: Asmaa Waguih/Reuters)
Ouvimos falar com frequência de muçulmanos como vítimas de abuso no Ocidente e dos manifestantes da Primavera Árabe que lutam contra a tirania. Outra guerra completamente diferente está em curso – uma batalha ignorada, que tem custado milhares de vidas. Cristãos estão sendo mortos no mundo islâmico por causa de sua religião. É um genocídio crescente que deveria provocar um alarme em todo o mundo. O retrato dos muçulmanos como vítimas ou h…