Pular para o conteúdo principal

Evangélicos lançam campanha nacional para garantir o voto consciente

Eleições 2012 »

Grupo lança campanha de conscientização entre os evangélicos pelo fim da manipulação do voto e em defesa da ética nas igrejas


Estado de Minas
Publicação: 17/09/2012 11:17 
A busca frenética pelo voto evangélico é uma marca das eleições em todo o Brasil, não importa qual seja o cargo disputado. Frequentemente os candidatos se aliam aos líderes religiosos para conquistar a simpatia dos evangélicos e, sem nenhum constrangimento, pedem votos dentro dos templos e durante os cultos. Algumas vezes de maneira nada republicana. Nas 100 maiores cidades mineiras, 271 pastores evangélicos disputam vagas nas câmaras municipais, contra apenas sete padres. Mas essa corrida não é sem motivo, afinal a população evangélica no Brasil representa, segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 42,3 milhões de pessoas.

Mas nem todos os que professam essa religião concordam com a prática, batizada de “voto de cajado”, referência ao voto de cabresto, tão comum nos tempos do coronelismo, no meio religioso. Por isso, um grupo que reúne cristãos ligados à defesa da cidadania, dos direitos sociais e da justiça resolveu se mobilizar e lançar no meio evangélico uma campanha nacional de conscientização.

“Queremos abrir um diálogo para repensar o modo de participação dos evangélicos na política”, afirma Caio Marçal, missionário da Igreja Batista da Redenção, em Belo Horizonte, e secretário de mobilização do grupo, batizado de Rede Fale. “O pastor pode participar da formação política de suas ovelhas, mas deve evitar o processo de manipulação político-partidária. A intenção não é afastar o público cristão dessa temática, mas clarificar esse assunto para que a igreja possa participar da vida da cidade, inclusive a política, de forma qualificada e ética”, defende Caio.

No dia 22, a Rede Fale promove na capital mineira um debate sobre o tema na Comunidade Cristã Caverna de Adulão, para discutir os perigos da manipulação do voto nas igrejas e a postura dos cristão ante a política e as eleições. Eventos semelhantes vão ocorrer na mesma semana em São Paulo, Aracaju, Rio de Janeiro e Fortaleza.

Para Flávio Conrado, doutor em antropologia, o voto evangélico segue a lógica da identificação e do reconhecimento que um igual, no caso um irmão ou irmã na fé ou alguém teoricamente de confiança de seu pastor ou líder, estará atento para as problemáticas da comunidade religiosa. Mas, em muitos casos, segundo ele, os pastores e líderes se orientam por uma visão essencialmente pragmática da política, sem conteúdo ideológico. Para ele, a única maneira de romper isso é por meio da educação baseada em valores republicanos e democráticos, informação e discussão das propostas dos candidatos, além de maior maturidade política e integridade ética por parte dos membros e pastores das igrejas evangélicas. “É preciso avaliar melhor a indicação do pastor ou do líder evangélico. É preciso que o eleitor estude melhor a história dos candidatos, que analise suas propostas, que tenha uma visão mais global dos partidos, julgando não só pelo grau de empatia com o segmento evangélico, mas por critérios mais republicanos”, defende Conrado, estudioso da participação político-eleitoral dos evangélicos.

LIBERDADE Apesar da romaria em busca do voto evangélico, para o antropólogo, a indicação do pastor não significa adesão automática a um candidato. “Depende muito da conjuntura, e o chamado voto de cajado tem se provado mais efetivo em mandatos legislativos, e, mesmo assim, não se pode confiar em 100% de ‘conversão’ da indicação em voto.”

A campanha contra o voto de cajado também conta com o engajamento de pastores evangélicos. Para Christian Gillis, pastor da Igreja Batista da Redenção, toda ação em prol da plena liberdade de escolha política deve ser adotada pelos líderes religiosos de todas as correntes. “O voto tem que ser livre de todo tipo de controle e pressão, seja esse domínio de natureza religiosa ou secular. Isso é fundamental para o desenvolvimento da democracia. É preciso alertar contra toda forma de manipulação eleitoral, seja de que matriz for.” Segundo ele, o voto tutelado é uma “prática nefanda que obviamente não se limita aos segmentos evangélicos”. Essa prática, de acordo com ele, reflete “parcialmente os costumes da mesma sociedade”. Otimista, ele avalia uma melhora na “arte de escolher aquilo que trará mais bem comum” . “Isso é resultado dos diversos movimentos, inclusive cristãos, que buscam elucidar bons critérios para a escolha de governantes e legisladores.” 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oswald Jeffray Smith (1890-1986)

"Resolvi publicar essa biografia para conhecermos um pouco de nossa história recente, esse homem foi um dos maiores missionários americanos, viajou por mais de 80 países pregando a palavra de Deus, leia e aprenda com esse grande homem de Deus."
O canadense Oswald Jeffray Smith (1890-1986), filhos de Benjamin (um telegrafo da estrada de ferro) e a Alice Smith, em Odessa, Ontário, em 1889, o mais velho de dez crianças. A conversão de Smith ocorreu ao assistir a uma cruzada evangelística de R.A. Torrey e Charles Alexander, quando tinha dezesseis anos. Smith não teve uma infância saudável e não esperada sobreviver a sua adolescência. Esta saúde pobre afetou diretamente seus planos de missões trans-culturais da igreja Presbiteriana, que foram rejeitadas inicialmente. Preparou-se para o ministério e foi ordenado pastor presbiteriano. Seu desejo era dedicar-se à obra missionária, mas foi advertido de que era muito fraco fisicamente para enfrentar a dura vida missionária. Como o Pr. …

Discipulado (Parte I) - Paulo Junior || Escola Obreiro Aprovado (Aula 10)

O Pr Paulo Junior é usado por Deus nesse vídeo com uma linguagem simples e com muita humildade nos ensina a Palavra de Deus. Recomendamos com muito carinho.
Discípulo é um aprendiz de Cristo.




Cristofobia? Existe? Você sabe o que é?

Pouco denunciada, a opressão violenta das minorias cristãs nos países muçulmanos é um problema cada vez mais grave AYAAN HIRSI ALI
Ayaan Hirsi Ali, de 42 anos, nasceu de uma família muçulmana na Somália e emigrou para a Holanda, onde foi parlamentar. Produziu o filme Submissão (2004), sobre a repressão às mulheres no mundo islâmico. É pesquisadora do American Enterprise Institute SANGUE DERRAMADO Cristãos coptas, do Egito, carregam uma imagem de Jesus Cristo manchada de sangue, em ato contra a violência de extremistas islâmicos (Foto: Asmaa Waguih/Reuters)
Ouvimos falar com frequência de muçulmanos como vítimas de abuso no Ocidente e dos manifestantes da Primavera Árabe que lutam contra a tirania. Outra guerra completamente diferente está em curso – uma batalha ignorada, que tem custado milhares de vidas. Cristãos estão sendo mortos no mundo islâmico por causa de sua religião. É um genocídio crescente que deveria provocar um alarme em todo o mundo. O retrato dos muçulmanos como vítimas ou h…